Cuidado com os Atalhos

Mensagem ministrada em 31 de Dezembro de 2005


INTRODUÇÃO: Muitas vezes recebemos propostas tentadoras para ganhar dinheiro sem trabalho, sem esforço e sem sair de casa. São as chamadas “pirâmides”, onde você, com apenas R$ 2,00, e algumas reproduções de algumas cartas, pode ganhar até R$ 300 mil ou mais.
No meio cristão e religioso, outras propostas também vêm com a mesma intenção. São propostas para solucionar problemas espirituais, problemas na Igreja, problemas pastorais e problemas de relacionamentos. São convites para encontros, congressos, cursos e retiros que: Prometem a solução de quaisquer problemas relacionais; prometem que a liderança da Igreja será mais dinâmica; prometem que sua vida de oração será mais poderosa; prometem que você receberá os dons que farão de você aquilo que sempre sonhou. Tudo será resolvido num retiro de fim de semana, numa palestra, num congresso, ou numa oração.
Somos fascinados pelos caminhos mais curtos. Trilhar o longo caminho da obediência; da dignidade; do trabalho; da honra; do respeito; da formação do caráter, acaba esbarrando na “pressa e na sedução dos atalhos”. E nesses atalhos encontramos os mais variados tipos de especialistas. Uns são especializados na arte da guerra espiritual, outros na formação de líderes, outros em ministrar dons, e etc. Você resolve seu problema de preguiça, cansaço ou falta de atenção participando de algum encontro, onde um especialista identifica o demônio correspondente e, com uma oração especial, você voltará para casa atento e disposto como nunca. Se seu problema for desânimo espiritual, é melhor participar de um retiro especializado, onde você será cheio de poder e pronto para liderar uma Igreja ou grupo de discipulado.
Não pensem que não creio no poder de Deus ou na importância dos encontros e retiros, ou nas experiências vividas neles. Creio em tudo isso e os uso em meu ministério. A minha preocupação é com os “atalhos” que temos buscado para a vida e para a fé. A vida e a experiência espiritual não podem ser simplificadas e tratadas com “superficialidade”. O processo de crescimento sempre passa por “períodos longos”. A recomendação sábia e orientada pelo Espírito Santo nas Escrituras é para termos paciência nas tribulações, pois no caminho longo da maturidade, não existem atalhos.

TEXTO BASE: (Romanos 12.11-12) No zelo, não sejais remissos; sede fervorosos de espírito, servindo ao Senhor; regozijai-vos na esperança, sede pacientes na tribulação, na oração, perseverantes”.

1. CUIDADO COM OS SIMPLIFICADORES DE VIDA: A Palavra de Deus nos ensina claramente: (Mateus 7.13-14) Entrai pela porta estreita (larga é a porta, e espaçoso, o caminho que conduz para a perdição, e são muitos os que entram por ela), porque estreita é a porta, e apertado, o caminho que conduz para a vida, e são poucos os que acertam com ela”. (Lucas 13.23-24) E alguém lhe perguntou: Senhor, são poucos os que são salvos? Respondeu-lhes: Esforçai-vos por entrar pela porta estreita, pois eu vos digo que muitos procurarão entrar e não poderão”.
Conheço muitos irmãos e irmãs que, encantados com as experiências maravilhosas vividas nestes encontros e retiros, testemunhando que foram libertos de maldições, que tiveram seus casamentos restaurados, ministérios recuperados, provaram uma renovação espiritual como nunca haviam provado antes, mas, acabaram tendo que encarar, cedo ou tarde, a dura realidade de que não existem “atalhos” para o “amadurecimento espiritual”.

2. CONSTÂNCIA É O SEGREDO: Se não permanecermos no caminho do discipulado com Cristo; no caminho da leitura diligente e obediente das Escrituras Sagradas; no caminho da prática constante e íntima da oração; no caminho do convívio amoroso e verdadeiro com os irmãos e irmãs na fé; no caminho da relação pastoral madura e confiável. É bem provável que depois de semanas, meses ou anos, estaremos nos debatendo com os mesmos conflitos, com as mesmas maldições e com os mesmos traumas dos quais fomos libertos em encontros, retiros e congressos. A libertação foi real, mas a constância em andarmos nos caminhos de Deus deve ser mantida.

3. NÃO EXISTE SUBSTITUTO PARA A NOSSA CRUZ: Jesus nunca propôs nenhum atalho, nunca simplificou a vida, jamais apresentou qualquer substituto para a cruz que temos que carregar.
O exemplo usado por Jesus e pelos apóstolos para entender a dinâmica da vida é a da semeadura e colheita:
(Tiago 5.7) Sede, pois, irmãos, pacientes, até à vinda do Senhor. Eis que o lavrador aguarda com paciência o precioso fruto da terra, até receber as primeiras e as últimas chuvas”.
Na cruz que carregamos, devemos trazer os frutos deste esforço, e para isso não há substituto, não há atalhos.

CONCLUSÃO: Não ser remisso, não ser relaxado e nem negligente em relação as coisas de Deus, pelo contrário, ser fervoroso no espírito servindo ao Senhor. Desta forma nos alegrarmos na esperança. Sermos pacientes na tribulação e sermos perseverantes na oração. Isso é que é caminho a ser trilhado. Sem atalhos, sem soluções mágicas, sem enganos.

    Você gostaria de ter Jesus Cristo como único e suficiente Senhor e Salvador de sua vida? Se você está disposto a tomar esta decisão, entre em contato conosco. Fale de sua de decisão, e faça seu pedido de oração: {Clique aqui}


Mensagem anterior - Próxima mensagem -

Outras Mensagens


Dê a sua Opinião sobre esta Mensagem - Imprima esta Mensagem