• aguavivabocaina@gmail.com
  • +55 14 98183-8530

Bíblia Cronológica – Versões | Dia 344

344º Dia – 10 de Dezembro

O NOVO TESTAMENTO

CIDADE DE JERUSALÉMPaulo Visita Tiago

(At 21.18-19) 18No dia seguinte Paulo foi conosco encontrar-se com Tiago, e todos os Presbíteros estavam presentes. 19Paulo os saudou e relatou minuciosamente o que Deus havia feito entre os gentios por meio do seu Ministério (NVI).

Conselhos dos Irmãos à Paulo e seus Companheiros

(At 21.20-22) 20Quando ouviram isso, louvaram a Deus e disseram: “Você sabe, irmão, quantos milhares de judeus também creram, e todos eles seguem à risca a Lei de Moisés. 21Mas eles foram informados de que você ensina todos os judeus que vivem entre os gentios a abandonarem a Lei de Moisés. Ouviram que você os instrui a não circuncidarem os filhos nem seguirem os costumes judaicos (NVT). 22Que faremos, então? Certamente saberão que você já chegou” (NAA).

(At 21.23-24) 23“Faça, portanto, o que vamos dizer: ‘Estão entre nós quatro homens que, voluntariamente, fizeram um voto (NAA). 24Vá com eles ao Templo e participe da cerimônia de purificação. Pague as despesas para realizarem o ritual de raspar a cabeça. Então todos saberão que os rumores são falsos e que você mesmo cumpre as leis judaicas’” (NVT).

(At 21.25) 25“Quanto aos convertidos gentios, devem fazer aquilo que pedimos por carta: ‘Abster-se de comer alimentos oferecidos a ídolos, de consumir o sangue ou a carne de animais estrangulados e de praticar a imoralidade sexual’” (NVT).

(At 21.26) 26No dia seguinte Paulo tomou aqueles homens e purificou-se com eles. Depois foi ao Templo para declarar o prazo do cumprimento dos dias da purificação e da oferta que seria feita individualmente em favor deles (NVI).

Paulo é Acusado de Profanação do Templo

(At 21.27-29) 27Estando os sete dias quase no fim, alguns judeus da província da Ásia viram Paulo no Templo e incitaram a multidão contra ele. Agarraram-no, 28gritando: “Homens de Israel, ajudem-nos! Este é o homem que fala contra nosso povo em toda parte e ensina todos a desobedecerem às leis judaicas. Fala contra o Templo e até profana este santo lugar, trazendo gentios para dentro dele” (NVT). 29Disseram isso, pois antes tinham visto Trófimo, o efésio, em sua companhia na cidade e pensavam que Paulo o havia levado para dentro do Templo (NAA).

(At 21.30) 30Toda a cidade ficou em grande alvoroço, e o povo veio correndo. Agarraram Paulo e o arrastaram para fora do Templo; e imediatamente as portas foram fechadas (NAA).

(At 21.31-32) 31Quando procuravam matar Paulo, chegou ao comandante do regimento romano a notícia de que toda a Jerusalém estava em rebuliço (NVT). 32Então este, levando logo soldados e centuriões, correu para o meio do povo. Ao verem chegar o comandante e os soldados, pararam de espancar Paulo (NAA).

(At 21.33-36) 33O comandante se aproximou e ordenou que Paulo fosse preso e amarrado com duas correntes. Então perguntou quem era e o que havia feito (NAA). 34Uns gritavam uma coisa, outros gritavam outra. Não conseguindo descobrir a verdade no meio de todo o tumulto, ordenou que Paulo fosse levado à fortaleza. 35Quando Paulo chegou às escadas, o povo se tornou tão violento que os soldados tiveram de levantá-lo nos ombros para protegê-lo. 36E a multidão foi atrás, gritando: “Matem-no! Matem-no!” (NVT)

CIDADE DE JERUSALÉMPaulo Tenta se Defender

(At 21.37-39) 37Quando Paulo estava para ser levado à fortaleza, disse ao comandante: “Posso ter uma palavra com o senhor?” Surpreso, o comandante perguntou: “Você fala grego? 38Não é você o egípcio que liderou uma rebelião algum tempo atrás e levou consigo ao deserto quatro mil assassinos?” (NVT) 39Paulo respondeu: “Eu sou judeu, natural de Tarso, uma importante cidade da Cilícia. E peço ao senhor que me permita falar ao povo” (NAA).

(At 21.40) 40Obtida a permissão, Paulo, em pé na escadaria, fez com a mão sinal ao povo. Fez-se grande silêncio, e ele falou em língua hebraica, dizendo:

(At 22.1-3) 1 “Irmãos e pais, escutem agora o que tenho a dizer em minha defesa”. 2Quando ouviram que Paulo lhes falava em língua hebraica, fizeram mais silêncio ainda. Paulo continuou: 3“Eu sou judeu, nasci em Tarso da Cilícia, mas fui criado nesta cidade e aqui fui instruído aos pés de Gamaliel, segundo o rigor da Lei de nossos antepassados, sendo zeloso para com Deus, assim como todos vocês o são no dia de hoje” (NAA).

(At 22.4-5) 4“E fui ao encalço dos seguidores do Caminho, perseguindo alguns até a morte, prendendo homens e mulheres e lançando-os na prisão. 5O Sumo Sacerdote e todo o conselho dos líderes do povo podem confirmar isso. Recebi deles cartas para nossos irmãos judeus em Damasco que me autorizavam a trazer os seguidores do Caminho de lá para Jerusalém, em cadeias, para serem castigados” (NVT).

(At 22.6-9) 6“Ora, aconteceu que, enquanto eu viajava, já perto de Damasco, quase ao meio-dia, repentinamente, uma grande luz do céu brilhou ao redor de mim. 7Caí no chão e ouvi uma voz que me disse: ‘Saulo, Saulo, por que você me persegue?’. 8Perguntei: ‘Senhor, quem é você?’ Ao que me respondeu: ‘Eu sou Jesus, o Nazareno, a quem você persegue’ (NAA). 9Os que me acompanhavam viram a luz, mas não entenderam a voz daquele que falava comigo” (NVI).

(At 22.10-11) 10“Então perguntei: ‘Senhor, o que devo fazer?’ E o Senhor me disse: ‘Levante-se, entre em Damasco, onde lhe dirão tudo o que você precisa fazer’. 11Tendo ficado cego por causa da intensidade daquela luz, guiado pela mão dos que estavam comigo, cheguei a Damasco” (NAA).

(At 22.12-16) 12“Um homem chamado Ananias, fiel seguidor da Lei e muito respeitado por todos os judeus que ali viviam (NVI), 13veio procurar-me e, chegando perto de mim, disse: ‘Irmão Saulo, recupere a visão!’ Nessa mesma hora, recuperei a visão e olhei para ele. 14Então ele disse: ‘O Deus de nossos pais escolheu você de antemão para conhecer a vontade dele, ver o Justo e ouvir a voz dele. 15Porque você terá de ser testemunha dele diante de todos, anunciando as coisas que você tem visto e ouvido (NAA). 16E, agora, que está esperando? Levante-se, seja batizado e lave os seus pecados, invocando o nome dele’” (NVI).

(At 22.17-21) 17“Quando voltei para Jerusalém, enquanto orava no Templo, sobreveio-me um êxtase (NAA), 18na qual o Senhor me dizia: ‘Depressa! Saia de Jerusalém, pois o povo daqui não aceitará seu testemunho a meu respeito’ (NVT). 19Eu respondi: ‘Senhor, eles bem sabem que eu ia de sinagoga em sinagoga, prendendo e açoitando os que criam em ti. 20Quando se derramava o sangue de Estêvão, tua testemunha, eu também estava presente, consentia nisso e até guardei as capas dos que o matavam’ (NAA). 21Mas o Senhor me disse: ‘Vá, pois eu o enviarei para longe, para os gentios’(NVT).

(At 22.22) 22Até este ponto a multidão ficou ouvindo. Mas, quando Paulo disse isso, começaram a gritar bem alto: “Fora com ele! Mate-o, porque ele não merece viver!” (NAA)

Paulo é Conduzido à Fortaleza Romana

(At 22.23-24) 23Enquanto eles gritavam, tiravam as suas capas e jogavam poeira para o ar, 24o comandante ordenou que Paulo fosse recolhido à fortaleza e que, sob açoite, fosse interrogado para saber por que motivo estavam gritando assim contra ele (NAA).

(At 22.25-29) 25Enquanto o amarravam a fim de açoitá-lo, Paulo disse ao centurião que ali estava: “Vocês têm o direito de açoitar um cidadão romano sem que ele tenha sido condenado?” 26Ao ouvir isso, o centurião foi prevenir o comandante: “Que vai fazer? Este homem é cidadão romano” (NVI). 27O comandante perguntou a Paulo: “Diga-me, você é cidadão romano?” Ele respondeu: “Sim, eu sou”. 28“Eu também”, disse o comandante. “E paguei caro por minha cidadania!” Paulo respondeu: “Mas eu sou cidadão de nascimento” (NVT). 29Imediatamente se afastaram os que iam interrogá-lo com açoites. O próprio comandante ficou com medo quando soube que Paulo era romano, porque tinha mandado amarrá-lo (NAA).

Paulo Perante o Sinédrio

(At 22.30) 30No dia seguinte, visto que o comandante queria descobrir exatamente por que Paulo estava sendo acusado pelos judeus, libertou-o e ordenou que se reunissem os chefes dos Sacerdotes e todo o Sinédrio. Então, trazendo Paulo, apresentou-o a eles (NVI).

(At 23.1-5) 1Paulo, fixando os olhos no Sinédrio, disse: “Meus irmãos, tenho vivido até o dia de hoje com a consciência limpa diante de Deus” (NAA). 2No mesmo instante, o Sumo Sacerdote Ananias ordenou aos que estavam perto de Paulo que lhe dessem um tapa na boca (NVT). 3Então Paulo lhe disse: “Deus há de ferir você, parede branqueada! Você está aí sentado para me julgar de acordo com a Lei e, contra a Lei, ordena que eu seja agredido?” (NAA) 4Os que estavam perto de Paulo lhe disseram: “Você ousa insultar o Sumo Sacerdote de Deus?” 5“Irmãos, não sabia que ele era o Sumo Sacerdote”, respondeu Paulo. “Pois as Escrituras dizem: ‘Não fale mal de suas autoridades’” (NVT).

(At 23.6-10) 6Como Paulo sabia que uma parte do Sinédrio se compunha de saduceus e outra, de fariseus, exclamou: “Irmãos, eu sou fariseu, filho de fariseus. Estou sendo julgado por causa da esperança e da ressurreição dos mortos!” 7Ditas estas palavras, começou uma grande discussão entre fariseus e saduceus, e o Sinédrio se dividiu (NAA). 8Os saduceus dizem que não há ressurreição nem anjos nem espíritos, mas os fariseus admitem todas essas coisas (NVI). 9Houve, pois, muita gritaria no Sinédrio. E, levantando-se alguns escribas que eram do partido dos fariseus, discutiam, dizendo: “Não achamos neste homem mal algum. E se, de fato, algum espírito ou anjo falou com ele?” (NAA) 10A discussão ficou cada vez mais violenta, e o comandante teve medo de que Paulo fosse feito em pedaços. Assim, ordenou que os soldados o retirassem à força e o levassem de volta à fortaleza (NVT).

(At 23.11) 11Naquela noite, o Senhor apareceu a Paulo e disse: “Tenha ânimo, Paulo! Assim como você testemunhou a meu respeito aqui em Jerusalém, deve fazê-lo também em Roma” (NVT).

Plano para Matar Paulo

(At 23.12-16) 12Quando amanheceu, os judeus se reuniram e juraram que não haviam de comer, nem beber, enquanto não matassem Paulo. 13Eram mais de quarenta os que se envolveram nessa conspiração (NAA). 14E, dirigindo-se aos chefes dos Sacerdotes e aos líderes dos judeus, disseram: “Juramos solenemente, sob maldição, que não comeremos nada enquanto não matarmos Paulo. 15Agora, portanto, vocês e o Sinédrio peçam ao comandante que o faça comparecer diante de vocês com o pretexto de obter informações mais exatas sobre o seu caso. Estaremos prontos para matá-lo antes que ele chegue aqui”. 16 Entretanto, o sobrinho de Paulo, filho de sua irmã, teve conhecimento dessa conspiração, foi à fortaleza e contou tudo a Paulo (NVI).

(At 23.17-22) 17Então Paulo mandou chamar um dos oficiais romanos e disse: “Leve este rapaz ao comandante. Ele tem algo importante para lhe contar”. 18O oficial o levou ao comandante e explicou: “O preso Paulo me chamou e pediu que eu trouxesse ao senhor este rapaz, pois ele tem algo a lhe contar” (NVT). 19O comandante tomou o rapaz pela mão, levou-o à parte e perguntou: “O que você tem para me dizer? (NVI) 20O sobrinho de Paulo respondeu: “Alguns judeus pedirão que o senhor apresente Paulo diante da reunião do conselho amanhã, fingindo que desejam obter mais informações (NVT). 21Não se deixe persuadir, porque mais de quarenta deles armaram uma emboscada. Fizeram um pacto de, sob pena de maldição, não comer, nem beber, enquanto não matarem Paulo; e agora estão prontos, esperando que o senhor prometa atender o pedido deles” (NAA). 22O comandante despediu o rapaz e recomendou-lhe: “Não diga a ninguém que você me contou isso” (NVI).

Paulo é Enviado para Cesaréia

(At 23.23-24) 23Chamando dois centuriões, ordenou: “Tenham de prontidão duzentos soldados, setenta cavaleiros e duzentos lanceiros para irem até Cesaréia a partir das nove horas da noite (NAA). 24Providenciem montarias para Paulo e levem-no em segurança ao governador Félix” (NVI).

(At 23.25-30) 25Em seguida, escreveu a seguinte carta ao governador: 26“De Cláudio Lísias ao excelentíssimo governador Félix. Saudações. 27Este homem foi capturado por alguns judeus que estavam prestes a matá-lo quando cheguei com meus soldados. Ao ser informado de que ele era cidadão romano, transferi-o para um lugar seguro (NVT). 28Querendo certificar-me do motivo por que o acusavam, levei-o ao Sinédrio deles (NAA). 29Descobri que ele estava sendo acusado em questões acerca da Lei deles, mas não havia contra ele nenhuma acusação que merecesse morte ou prisão (NVI). 30Sendo eu informado de que ia haver uma cilada contra o homem, tratei de enviá-lo a ti, sem demora, intimando também os acusadores a irem dizer, na tua presença, o que há contra ele. Saúde” (ARA).

(At 23.31-32) 31Os soldados, cumprindo o seu dever, levaram Paulo durante a noite e chegaram a Antipátride. 32No dia seguinte deixaram a cavalaria prosseguir com ele e voltaram para a fortaleza (NVI).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você não pode copiar o conteúdo desta página.