• aguavivabocaina@gmail.com
  • +55 14 98183-8530

Bíblia Cronológica – Versões | Dia 190

190º Dia – 9 de Julho

REINO DE JUDÁ

CIDADE DE JERUSALÉMProfeta de Isaías: A misericórdia de Deus – Invasão Assíria

(Is 33.1) 1Ai de você, destruidor que nunca foi destruído! Ai de você, traidor que nunca foi traído! Quando você acabar de destruir, será destruído; quando acabar de trair, será traído (NAA).

(Is 33.2-4) 2Senhor, tem misericórdia de nós! Em ti temos esperado. Sê o Senhor o nosso braço manhã após manhã e a nossa salvação no tempo da angústia. 3Ao ruído do tumulto, os povos fogem; quando o Senhor se ergue, as nações se dispersam. 4Então o despojo que vocês ajuntaram será recolhido como se devorado por uma nuvem de gafanhotos; como os gafanhotos saltam, assim os homens saltarão sobre ele (NAA).

(Is 33.5-6) 5Embora o Senhor seja grandioso e viva nos céus, fará de Sião a habitação de sua justiça e retidão (NVT). 6Ó Sião, no seu tempo haverá estabilidade, abundância de salvação, sabedoria e conhecimento. O temor do Senhor será o seu tesouro (NAA).

(Is 33.7-9) 7Agora, porém, seus guerreiros valentes choram em público; seus embaixadores da paz derramam lágrimas de amargura (NVT). 8As estradas estão desoladas, ninguém passa por elas. Rompem-se as alianças, as cidades são desprezadas, não há respeito pelas pessoas. 9A terra geme e desfalece; o Líbano se envergonha e murcha; Sarom se torna como um deserto, Basã e Carmelo são despidos de suas folhas (NAA).

(Is 33.10-13) 10“Agora me levantarei”, diz o Senhor. “Agora eu me erguerei; agora serei exaltado (NVI). 11Vocês conceberam palha e darão à luz restolho; o sopro que sai da boca de vocês é um fogo que os há de devorar (NAA). 12Os povos serão queimados como se faz com a cal; como espinheiros cortados, serão postos no fogo (NVI). 13Vocês que estão longe, escutem o que eu fiz; e vocês que estão perto, reconheçam o meu poder” (NAA).

(Is 33.14-16) 14Em Sião os pecadores estão aterrorizados; o tremor se apodera dos ímpios: “Quem de nós pode conviver com o fogo consumidor? Quem de nós pode conviver com a chama eterna?” 15Aquele que anda corretamente e fala o que é reto, que recusa o lucro injusto, cuja mão não aceita suborno, que tapa os ouvidos para as tramas de assassinatos e fecha os olhos para não contemplar o mal, 16é esse o homem que habitará nas alturas; seu refúgio será a fortaleza das rochas; terá suprimento de pão, e água não lhe faltará (NVI).

(Is 33.17-19) 17Seus olhos verão o rei em seu esplendor e vislumbrarão o território em toda a sua extensão (NVI). 18O seu coração se lembrará dos terrores, dizendo: “Onde está o escrivão? Onde está aquele que recolheu o tributo? E onde está aquele que contou as torres?” 19Você já não verá aquele povo atrevido, povo de fala obscura, de uma língua estranha, que não se pode entender (NAA).

(Is 33.20-21) 20Olhe para Sião, a cidade das nossas festas; seus olhos verão Jerusalém, morada pacífica, tenda que não será removida; suas estacas jamais serão arrancadas, nem se romperá nenhuma de suas cordas (NVI). 21O Senhor será nosso Poderoso; será como um largo rio de proteção que nenhum adversário consegue atravessar, em que nenhuma embarcação inimiga consegue navegar (NVT).

(Is 33.22-24) 22Porque o Senhor é o nosso juiz, o Senhor é o nosso legislador, o Senhor é o nosso Rei; ele nos salvará (NAA). 23Suas cordas se afrouxam: O mastro não está firme, as velas não estão estendidas. Então será dividida grande quantidade de despojos, e até o aleijado levará sua presa (NVI). 24Nenhum morador de Jerusalém dirá: “Estou doente”; o povo que habita nela terá o seu pecado perdoado (NAA).

Profeta de Isaías: O Reino de Judá não preciso temer a Assíria

(Is 10.24-27) 24Por isso, assim diz o Senhor, o Senhor dos Exércitos: “Povo meu, que mora em Sião, não tenha medo da Assíria, quando ela castigar você com uma vara e levantar contra você o seu bastão à maneira dos egípcios (NAA). 25Em breve, minha fúria contra vocês passará, e minha ira se levantará para destruir os assírios”. 26O Senhor dos Exércitos os castigará com seu chicote, como fez quando Gideão venceu os midianitas na rocha de Orebe, ou quando o Senhor ergueu sua vara para afogar o exército egípcio no mar (NVT). 27E acontecerá, naquele dia, que a sua carga será tirada do teu ombro, e o seu jugo, do teu pescoço; e o jugo será despedaçado por causa da unção (ARC).

(Is 10.28-34) 28Vejam, agora os assírios estão em Aiate; passam por Migrom, e guardam seus pertences em Micmás. 29Atravessam o desfiladeiro e acampam em Geba. A cidade de Ramá está tomada de medo; o povo de Gibeá, cidade natal de Saul, foge para se salvar. 30Gritem de terror, habitantes de Galim! Alertem Laís! Ah, pobre Anatote! 31O povo de Madmena foge, e os habitantes de Gebim tentam se esconder (NVT). 32Hoje eles vão parar em Nobe; sacudirão o punho para o monte da cidade de Sião, para a colina de Jerusalém. 33Vejam! O Soberano, o Senhor dos Exércitos, cortará os galhos com grande força. As árvores altivas serão derrubadas, as altas serão lançadas por terra. 34Com um machado ele ceifará a floresta; o Líbano cairá diante do Poderoso (NVI).

A blasfêmia do rei Senaqueribe

(2Cr 32.9) 9aAlgum tempo depois, Senaqueribe, rei da Assíria, junto com o seu exército estava cercando a cidade de Laquis (NTLH).

(Is 36.2) 2O rei da Assíria, que estava em Laquis, enviou Rabsaqué, com um grande exército, a Jerusalém, ao rei Ezequias. Ele parou na extremidade do aqueduto do tanque superior, junto ao caminho do campo do Lavandeiro (NAA).

(2Rs 18.17) 17Contudo enviou o rei da Assíria a Tartã, e a Rabe-Saris, e a Rabsaqué, de Laquis, com grande exército ao rei Ezequias, a Jerusalém; subiram, e vieram a Jerusalém. E, subindo e vindo eles, pararam ao pé do aqueduto da piscina superior, que está junto ao caminho do campo do lavandeiro (ACF).

(2Rs 18.18) 18Mandaram chamar o rei Ezequias, mas ele enviou os seguintes oficiais ao encontro deles: Eliaquim, filho de Hilquias, o administrador do palácio; Sebna, o secretário da corte; e Joá, filho de Asafe, o historiador do reino (NVT).

(Is 36.3) 3Quem saiu ao encontro dele foram Eliaquim, filho de Hilquias, o responsável pelo palácio, Sebna, o escrivão, e Joá, filho de Asafe, o cronista (NAA).

(2Cr 32.9) 9bEle (rei Senaqueribe) enviou alguns oficiais a Jerusalém para entregarem ao rei Ezequias a seguinte mensagem (NTLH):

(2Cr 32.10-15) 10“Assim diz Senaqueribe, rei da Assíria: ‘Em que vocês confiam, para imaginar que sobreviverão quando eu cercar Jerusalém? 11Ezequias disse: ‘O Senhor, nosso Deus, nos salvará do rei da Assíria’. Não é verdade! Ele está enganando vocês e os condenando a morrer de fome e sede! 12Não percebem que o próprio Ezequias destruiu todos os santuários e altares do Senhor? Ordenou que Judá e Jerusalém adorassem somente no altar do templo e queimassem incenso apenas ali. 13Sem dúvida, vocês sabem o que eu e os reis da Assíria antes de mim fizemos a todos os povos da terra! Acaso algum dos deuses dessas nações livrou seu povo de minhas mãos? 14Qual de seus deuses foi capaz de salvar seu povo do poder destruidor de meus antecessores? O que os faz pensar que seu Deus poderá livrá-los de minhas mãos? (NVT) 15Portanto, não deixem agora que Ezequias os engane, nem que os incite assim. Não acreditem nele! Porque nenhum deus de nação alguma nem de reino algum foi capaz de livrar o seu povo das minhas mãos, nem das mãos de meus pais. Muito menos o Deus de vocês será capaz de livrá-los das minhas mãos! (NAA)

(2Rs 18.19-25) 19Rabsaqué disse: “Digam a Ezequias: ‘Assim diz o grande rei, o rei da Assíria’: ‘Que confiança é essa que você tem? (NAA) 20Pensa que meras palavras podem substituir experiência e força militar? Com quem você conta para se rebelar contra mim? (NVT) 21Você está confiando no Egito, aquele caniço quebrado, que espeta e perfura a mão do homem que nele se apoia! Assim o Faraó, rei do Egito, retribui a quem confia nele (NVI). 22Talvez vocês digam: ‘Confiamos no Senhor, nosso Deus!’. Mas não foi a ele que Ezequias insultou? Ezequias não destruiu os santuários e altares dele e obrigou todos em Judá e Jerusalém a adorarem somente no altar em Jerusalém?’ 23Vou lhes dizer uma coisa: ‘Façam um acordo com meu senhor, o rei da Assíria’. Eu lhes darei dois mil cavalos se forem capazes de encontrar homens em número suficiente para montá-los! 24Com seu exército minúsculo, como podem pensar em desafiar até o contingente mais fraco do exército de meu senhor, mesmo com a ajuda dos carros de guerra e dos cavaleiros do Egito? 25Além disso, imaginam que invadimos sua terra sem a direção do Senhor? Foi o próprio Senhor que nos disse: ‘Ataquem essa terra e destruam-na!’(NVT)

(Is 36.4-10) 4O porta-voz do rei assírio mandou que transmitissem esta mensagem a Ezequias: “Assim diz o grande rei da Assíria: ‘Em que você confia, que lhe dá tanta segurança? (NVT) 5Você diz que tem estratégia e força militar; mas só palavras vãs. Em quem você confia, para rebelar-se contra mim? 6Pois veja! Agora você está confiando no Egito, aquela cana esmagada, que fura a mão de quem nela se apoia! Assim é o Faraó, o rei do Egito, para todos os que dele dependem (NVI). 7Mas, se você me diz: ‘Confiamos no Senhor, nosso Deus’, eu pergunto: não é esse aquele cujos lugares altos e altares Ezequias removeu, dizendo a Judá e a Jerusalém que deveriam adorar somente diante do altar em Jerusalém?’ (NAA) 8Eu vou fazer um trato com você em nome do rei. Eu lhe darei dois mil cavalos se você puder arranjar homens suficientes para montá-los. 9Você não poderia vencer nem mesmo o oficial assírio menos graduado e, no entanto, espera que os egípcios lhe mandem carros de guerra e cavalaria! (NTLH) 10E será que você pensa que é sem o consentimento do Senhor Deus que eu vim contra esta terra, para a destruir? Foi o próprio Senhor quem ordenou que eu atacasse esta terra e a destruísse” (NAA).

(Is 36.11-12) 11Então Eliaquim, Sebna e Joá disseram ao comandante: “Por favor, fala com os seus servos em aramaico, pois entendemos essa língua. Não fales em hebraico, pois assim o povo que está sobre os muros entenderá” (NVI). 12Mas Rabsaqué lhes respondeu: “Você pensa que o meu senhor me enviou para dizer estas palavras apenas a você e ao seu rei? Ele me enviou para falar também aos homens que estão sentados sobre a muralha e que, junto com vocês, terão de comer o seu próprio excremento e beber a sua própria urina! (NAA)

(2Rs 18.26-27) 26Então Eliaquim, filho de Hilquias, Sebna e Joá disseram ao porta-voz: “Por favor, fale conosco em aramaico, pois entendemos bem essa língua. Não fale em hebraico, pois o povo sobre o muro o ouvirá”. 27O porta-voz, no entanto, respondeu: “Vocês pensam que, meu senhor, enviou essa mensagem apenas para vocês e para seu senhor? Ele quer que todo o povo a ouça, pois, quando cercarmos esta cidade, eles sofrerão junto com vocês. Ficarão tão famintos e sedentos que comerão as próprias fezes e beberão a própria urina!” (NVT)

(2Rs 18.28-35) 28Então o porta-voz se levantou e gritou em hebraico: “Ouçam esta mensagem do grande rei da Assíria! (NVT) 29Assim diz o rei: ‘Não deixem que Ezequias os engane, pois ele não poderá livrá-los da minha mão. 30Não deixem que Ezequias os leve a confiar no Senhor, dizendo: ‘O Senhor certamente nos livrará, e esta cidade não será entregue nas mãos do rei da Assíria’’. 31Não deem ouvidos a Ezequias. Porque assim diz o rei da Assíria: ‘Façam as pazes comigo e se entreguem. Então cada um comerá da sua própria videira e da sua própria figueira, e beberá a água da sua própria cisterna (NAA), 32até que eu venha e os leve para uma terra igual à de vocês, terra de cereais, de vinho, terra de pão e de vinhas, terra de oliveiras e de mel. Escolham a vida e não a morte!’ Não deem ouvidos a Ezequias, pois ele os está iludindo, quando diz: ‘O Senhor nos livrará’ (NVI). 33Acaso os deuses de alguma outra nação livraram seu povo do rei da Assíria? 34O que aconteceu aos deuses de Hamate e de Arpade? E quanto aos deuses de Sefarvaim, de Hena e de Iva? Acaso algum deus livrou Samaria de meu poder? 35Qual dos deuses de qualquer nação foi capaz de livrar seu povo de meu poder? O que os faz pensar que o Senhor pode livrar Jerusalém de minhas mãos?’” (NVT)

(Is 36.13-20) 13Então Rabsaqué se pôs em pé e gritou em hebraico: “Escutem as palavras do grande rei, o rei da Assíria (NAA). 14Assim diz o rei: ‘Não deixem que Ezequias os engane. Ele jamais será capaz de livrá-los. 15Não deixem que ele os convença a confiar no Senhor, dizendo: ‘Certamente o Senhor nos livrará; esta cidade jamais cairá nas mãos do rei da Assíria’. 16Não deem ouvidos a Ezequias! Estas são as condições que o rei da Assíria oferece: ‘Façam as pazes comigo, abram as portas e saiam. Então, cada um de vocês continuará a comer de sua própria videira e de sua própria figueira e a beber de seu próprio poço. 17Depois, providenciarei que sejam levados a outra terra como esta, uma terra com cereais e vinho novo, com pão e vinhedos (NVT). 18Não deixem que Ezequias os engane, dizendo: ‘O Senhor nos livrará’. Será que os deuses das nações puderam livrar, cada um a sua terra, das mãos do rei da Assíria? 19Onde estão os deuses de Hamate e de Arpade? Onde estão os deuses de Sefarvaim? Será que eles livraram Samaria das minhas mãos? (NAA) 20Quem dentre todos os deuses dessas nações conseguiu livrar a sua terra? Como então o Senhor poderá livrar Jerusalém das minhas mãos? (NVI)

(2Cr 32.16) 16Os servos de Senaqueribe falaram ainda mais contra o Senhor Deus e contra Ezequias, seu servo (NAA).

(2Cr 32.18-19) 18Os servos gritaram bem alto, em hebraico, ao povo de Jerusalém, que estava sobre a muralha, para os atemorizar e os perturbar, para tomarem a cidade. 19Falaram do Deus de Jerusalém como falavam dos deuses dos povos da terra, que são obras das mãos dos homens (NAA).

(2Rs 18.36-37) 36Mas o povo permaneceu em silêncio e não disse uma palavra sequer, pois Ezequias havia ordenado: “Não lhe respondam” (NVT). 37Então Eliaquim, filho de Hilquias, o responsável pelo palácio, e Sebna, o escrivão, e Joá, filho de Asafe, o cronista, voltaram para junto do rei Ezequias, com as suas roupas rasgadas, e lhe contaram o que Rabsaqué tinha dito (NAA).

(Is 36.21-22) 21Mas o povo ficou em silêncio e nada respondeu, porque o rei dera esta ordem: “Não lhe respondam” (NVI). 22Então Eliaquim, filho de Hilquias, administrador do palácio, Sebna, secretário da corte, e Joá, filho de Asafe, historiador do reino, voltaram a Ezequias. Rasgaram suas roupas e foram contar ao rei o que o porta-voz tinha dito (NVT).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você não pode copiar o conteúdo desta página.